16/07/2007

Autárquicas Lisboa, análise e consequência!

-Não poderia deixar de comentar hoje as eleições de Lisboa, apesar do muito que já foi dito e escrito, inclusivé por mim próprio em diversos blogues que costumo frequentar. Desde logo o primeiro derrotado foi o acto eleitoral em si, batendo-se o record de abstenção, mais parecendo tratar-se dum referendo do que dumas eleições que elegeram o prsidente da 1ª câmara do país, ainda por cima a braços com uma situação económica paupérrima. E o dia de ontem, foi sobretudo um dia de derrotados, com poucas excepções. Em primeiro lugar o PS e António Costa, alguém que se quis demarcar do governo, com o próprio primeiro ministro antes das eleições a afirmar que não estava em causa qualquer avaliação do desempenho governamental, é difícil perceber então o porquê da máquina socialista ter importado cidadãos de diversos pontos do país, para festejarem uma vitória, que ainda por cima classificaram de histórica, mas que pelos vistos não convenceu sequer os militantes da capital, para além daquele discurso de vitória de José Sócrates, é certo que na qualidade de secretário-geral, mas o que parece é, se antes não estava em causa o governo, para quê colocar-se debaixo dos holofotes no momento da vitória? Seguiu-se Carmona, um dos vencedores do dia, o homem sobreviveu politicamente, a questão será por quanto tempo?, agora não terá a seu dispôr a máquina camarária, pelo que uma aproximação gradual ao PS não será de descartar, o que também viria a facilitar a vida ao PS, e até a Helena Roseta, pouco interessada em entrar no executivo. No PSD os resultados foram uma catástrofe, Negrão não ganha peso no PSD, e Marques Mendes vê fugir-lhe o tapete debaixo dos pés. Mas uma análise mais detalhada fá-la-ei amanhã sobre o PSD! Helena Roseta, a outra vencedora, tem um bom resultado, em primeiro lugar consegue inclusivamente ficar à frente da CDU, atinge 10%, ganha peso político, dentro ou fora do PS, e ainda por cima os seus 2 vereadores não serão suficientes para garantir a estabilidade do executivo, o melhor que lhe poderia ter acontecido, até porque a sua base eleitoral será um pouco difusa, uns votaram porque estarão descontentes com o governo PS, e não quererão votar noutros partidos, outros pela sua autonomia, o que não seria do melhor agrado ver a candidata que elegeram transformar-se na muleta do PS e de António Costa. Qualquer bloqueio ao executivo não lhe serão imputadas as responsabilidades, pelo menos em exclusivo, e sentir-se-á livre para marcar a sua própria agenda política. A CDU fez um resultado normal, ao nível do que já tinha, mantendo o discurso a que já nos habituou, perdeu votos, aqui tudo bem, perderam todos face à abstenção, mas também baixou percentualmente face às últimas eleições, só mesmo eles é que viram a vitória. O mesmo se aplica a Sá Fernandes e ao Bloco de Esquerda, cada vez mais parecido com os comunistas, perdeu votos, perdeu percentagem, mas ganhou! Não sei o quê, talvez mais umas tentativas de embargo não sei do quê! Para variar, se conseguisse fazer alguma coisa de útil, talvez pudesse embargar a OTA. Mas isso já é outra equação!

1 comentário:

TPestana disse...

Gostei de "ouvir"... só não concordo com uma coisa, a análise do PSD... Perdeu, sem dúvida, mas talvez Negrão tenha ganho algum espaço...

Passe lá pelo meu blog e veja uma opinião mais detalhada..

http://in-direita.blogspot.com/