25/11/2007

25 de Novembro



-Se 25 de Abril de 1974 passa á História de Portugal, como o dia da liberdade, 25 de Novembro de 1975 bem que deveria ser assinalado como o dia da democracia, destacando-se como heróis sem dúvida, o regimento de comandos, e o coronel Jaime Neves, que puseram fim á loucura duma certa esquerda de inspiração totalitária, que apesar de derrotada eleitoralmente sem margem para dúvidas, nas eleições para a assembleia constituinte, Vasco Gonçalves afirmara-o, "não podemos perder pelo voto o que nos custou tanto a conquistar", bem revelador do espírito "democrático" que animava esquerda afecta ao PCP, beneficiando então do apoio de Otelo S. Carvalho, comandante em chefe do COPCON, ante a complacência do gen. Costa Gomes, á época, Presidente da República. Só que após alguma resistência popular, com especial incidência a norte de Santarém, já demitido Vasco Gonçalves, substituido pelo alm. Pinheiro de Azevedo, com o chamado "grupo dos nove", elementos mais moderados do MFA, a ganharem influência no interior das forças armadas, chefias intermédias dos pára-quedistas, com que apoios, um mistério ainda hoje por esclarecer, intentaram uma sublevação militar, que deixou Otelo hesitante, o PCP e Álvaro Cunhal, tiveram de permanecer quietos, segundo se afirma terá reunido com Melo Antunes, que lhe garantiu a sobrevivência política em caso de passividade, mas se tivesse apoiado o golpe, teria ficado ilegalizado, coube ao regimento de comandos, a díficil tarefa de neutralizar pára-quedistas e polícia militar, então bastiões da extrema-esquerda totalitária. Ramalho Eanes, Pires Veloso ou Jaime Neves, foram alguns dos heróis, a quem Portugal e a democracia muito devem, mas que o poder institucional, continua envergonhadamente a não assinalar condignamente nesta data.

-Também publicado n' O Andarilho

4 comentários:

Blondewithaphd disse...

Thank you! I don't know much about contemporary Portuguese History and this was a way to learn.

Mocho-Real disse...

Boa tarde:

Cheguei aqui vindo do amigo Profano.
Não sou, pois, nenhum pirata.
(Tenho andado hoje a pesquisar "berloques" que valham a pena.)

Pois bem! O Jaime Neves, o Jaiminho das Chaimites, como a malta lhe chamava na altura, era um tipo de militar à séria, sem vaidades e durão! Era bem um Comando.
Tudo o que aqui você diz, confirmo-o em absoluto e tenho a mesma opinião. A esses homens, não tantos como isso...devem os actuais nababos, e muitos destes na altura ainda andavam a fingir que estudavam, os tachos que hoje lhes servem para nos servir a comida estragada que conhecemos.

E o Eanes, sim senhor, impreparado para o cargo (quem estaria na época, fora do circuito dos partidos "feitos"?) conseguiu mais tarde desempenhar as suas funções de PR com muita honradez e mérito. E chegou a assustar com o Partido que formou e a ao qual a sua mulher emprestou um toque humanista que agradou ao povo, então.

Bom, mas peço desculpa pois já me estou a alongar.

Os meus cumprimentos e saudações.
Jorge G.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Às vezes quando critico, e sinto que devo criticar, as actuações do governo e dos partidos, chega-me sempre o receio de quais serão as alternativas se começamos a deitar abaixo todos os partidos democráticos. Também me preocupa o quanto pior melhor, defendido pelo PCP, e posto em prática pelo nosso "engenheiro" com o aumento da pobreza, lista de espera nos hospitais, desempregados etc.
É bom recordar este dia e, com ele, tudo o que ainda nos pode ameaçar.

JOY disse...

Não há dúvida que este dia não é condignamente comemorado porque simboliza um sem numero de ideáis que os ultimos governos preferem que cai no esquecimento.


JOY