26/12/2007

Nova lei do tabaco

-Com o novo ano, entra em vigor a nova lei do tabaco, como é vulgarmente conchecida, que tanta celeuma tem levantado, com não fumadores dum lado a procurarem limitar aos fumadores, os espaços onde tal prática é tolerada. Os efeitos passam-me ao lado, por ter deixado de fumar há 3 anos atrás, mas não posso permanecer em silêncio nesta matéria. Concordo que existem espaços onde não deve ser permitido fumar, como balcões de pastelarias por exemplo, onde é manifestamente desagradável alguém estar a tomar o pequeno almoço, a escassos centimetros do fumo dum cigarro. Sempre foi um local onde evitei fumar, ao pretender acompanhar um café dum cigarro, escolhia sempre um sítio onde me pudesse sentar, procurando o mais possível, evitar incomodar terceiros. Parece-me que esta lei só será necessária por falta de bom senso, da parte de alguns fumadores, mas terá sido excessiva no seu alcance, pois querer proibir o fumo em restaurantes, bares e discotecas, é claramente uma resposta desproporcionada por parte do estado, face aos direitos, que convém não esquecer, também assistem aos fumadores. Se aceito o argumento que alguns restaurantes, com espaços exíguos, possam não ter condições para fumadores, deixem-me colocar uma questão, e terão condições para funcionar enquanto restaurantes? O mesmo se aplica a bares e discotecas, não andará o estado, através das autarquias, a emitir licenseamentos, sem verificar elementares regras de higiene e segurança? Mais, exercendo um estabelecimento a sua livre opção de permitir fumadores nas instalações, que garantias irá receber, uma vez realizado o investimento necessário ao cumprimento da legislação, que a mesma não será alterada no curto prazo, tornando obsoleto o equipamento que esforçadamente alguns irão adquirir? É que os excessos reguladores, neste país fazem escola, e dada a fúria anti-tabagista que se instalou nalguns centros de decisão, será de prever novas ofensivas legislativas, caso um número ainda significativo de estabelecimentos venham a permitir fumadores.

3 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Eu não fumo, nem nunca fumei.

No entanto acho que, sendo legal, não se deve descriminar quem fuma.

Acho sim que se deve separar as aguas, a opção é de cada um, evidentemente que não é nada agradável levar com o fumo dos outros e como parece que muitos estão se lixando para onde vai o fumo deles, tem que se colocar algumas lei, evidentemente evitando fundamentalismos.

NuNo_R disse...

Boas...

Concordo com os argumentos do meu
amigo.

e tb tenho essa posição que este assunto só se torna tão relevante e mediático devido à falta de bom-senso e civismo dos fumadores.
Apesar de eu não ser um fumador regular, quando fuma tento ter cuidado com quem me rodeia, se são crianças, se as pessoas estão a comer... se o fizessemos todos, não existiria este problema.


abr...prof...

Maria da Costa disse...

Toda a gente merece ser respeitada!

Sou fumadora, mas sempre respeitei quem não fuma! Ao frequentar estabelecimentos de restauração e/ou comerciais sempre tive o cuidado de olhar em volta, antes de acender 1 cigarro!
Concordo plenamente com a proibição de fumar em determinados locais, mas neste momento sinto me discriminada, tenho um vicio que é legal no meu país, a venda de tabaco é legal, o estado enche os cofres! Agora, praticamente só posso fumar em casa e na rua. Caso contrario, corro o risco de ser multada em valores muitíssimos superiores aos do consumo de droga, que é ilegal! Então afinal onde estão os direitos e o respeito pelos fumadores?