06/03/2008

Assim se vê a força do PC, perdão dos professores!

-Via Jorge Ferreira, no Tomar Partido, chego a esta pérola da gestão autárquica comunista, onde se comprova a promiscuidade entre as manifestações de professores, certo tipo de sindicalismo, nomeadamente o da FENPROF e da CGTP, e claro está o PCP. Se fosse professor, era razão mais que suficiente para não participar na manifestação, o não querer andar mal acompanhado. Calculo que Beja não seja um caso isolado, tal como não será passado uma semana o comício do PS no Porto, mas nestas matérias, enquanto observador atento, procuro ser imparcial, não posso utilizar 2 pesos e 2 medidas, estas práticas são criticáveis, nada têm que ver com o direito á manifestação, indignação, ou quaisquer outros direitos que queiram invocar.

3 comentários:

JOY disse...

È nestas situações que se nota que os sindicatos acabam a ser parte do problema e não da resolução,e dão motivos ao governo para marcar pontos, novo sindicalismo precisa-se.

JOY

Tiago R. Cardoso disse...

mais uma vez enquanto eu não vir pessoas a defenderem que trabalha, livre de e independentes de partidos, não acredito em sindicatos.

joshua disse...

O PCP é uma sombra e nada devemos temer de sombras e, por uma vez, por uma vez apenas, pode dar-se o caso de ser o PCP o último reduto da defesa de uma qualquer causa e não reconhecermos isso por puro fechamento preconceituoso ao PCP.

É preciso que nos não tolde o preconceito. Há vida para além de qualquer Marte ideológico onde nos situemos.

Eu só ambiciono Dalai-enlamear a minha vida e recusar de ela os processos-FARC que os comunistas ousam vergonhosamente abençoar!

Os professores é outra conversa complexa e mais universal.

PALAVROSSAVRVS REX