27/03/2008

Consequências da descida no IVA

J.N. - IVA baixa para 20% a 1 de Julho

-Muitos já vieram a público clamar por descidas de preços, ou alertar para eventuais apropriações da baixa na taxa de IVA, de 21 para 20 por cento. Convém relembrar, que há 3 anos atrás, muitas empresas também não aumentaram os preços ao consumidor, nomeadamente pequenos comerciantes e prestadores de serviços, que face á dificil situação económica, e quebra no consumo, optaram por assumir para si as consequências do aumento no imposto. Será lógico que esses agora não desçam preços, embora sejam as leis da concorrência a ditar regras. Por outro lado, convém não esquecer, que 1 por cento, representa 5 centimos em 5 Euros, pelo que em preços de bens de custo inferior, um café por exemplo, tal descida é logo assumida por arredondamento. Quer isto dizer que o governo não deveria ter baixado o IVA? Não, ao contrário do que defende o BE, aumentar margens de lucro das empresas, muitas delas completamente asfixiadas financeiramente, poderá ser a diferença entre encerrar portas ou manter actividade, sabendo qual a importância social no país real, das pequenas e médias empresas, em termo de criação de emprego e redistribuição da riqueza. Mas esta medida, peca por defeito, 1 por cento não chega, o ideal será voltar aos 17 por cento, em conjunto com redução do IRS e IRC, possibilitando um aumento no consumo, bem como maiores possibilidades de investimento na economia, mas para tal acontecer, será necessário repensar e definir as funções do estado, e principalmente, reduzir a despesa pública. Exactamente o caminho que o governo teima em não seguir, agarrado a complexos ideológicos ultrapassados.

2 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

António Almeida
Penso que esta descida de 1%do IVA pretende ter um efeito psicológico. A ideia que se pretende passar é a de que as contas públicas estão a ser postas em ordem, o déficit está a diminuir e o cinto dos portugueses poderá desapertar-se. Mera propaganda pré-eleitoral.
Um abraço

Tiago R. Cardoso disse...

Pois, mas o problema é que uma baixa maior de impostos poderá ser catastrófica para essa mesma economia que deveria revitalizar.

Existe mesmo quem defenda que me vez de aumentar o consumo iria se manter igual, pois a mentalidade seria de poupar.

Difícil avaliar, mas que este 1% é pouco lá isso é.