24/03/2008

Fundamentalismo fiscal e bizarra metodologia

PUBLICO - DGCI ameaça noivos com coimas se não derem informações sobre o casamento


-Li 2 vezes esta notícia do PÚBLICO, pela dificuldade de acreditar na mesma á primeira, tal a bizarria nos métodos de actuação da DGCI. Não serei eu a defender a fuga e evasão fiscal, ainda que possa contribuir para a sua explicação, a mesma deriva em parte da pesadíssima carga fiscal, nomeadamente a que incide sobre o rendimento, a par com o fraco desempenho da economia. Os dois factores em conjunto, levam a que muita gente necessitada de dinheiro, para fazer face a básicas despesas do dia a dia, aceite trabalhar fins de semana ou feriados, os chamados biscates, por vezes em actividades que nem são a sua área profissional, outras, fora da sua entidade profissional. Isto acontece em casamentos, baptizados, noites de fim de ano, e mais alguns eventos esporádicos. Não fora assim, e tudo declarado, muitos nem aceitariam tais trabalhinhos extras, nem sei mesmo se existiriam pessoas para assegurar a realização de tais eventos. Isto não quer dizer que o estado, através da entidade competente, a DGCI, deva fechar os olhos, ou pactuar com a ilegalidade, mas intimidar os noivos? Não terão outros métodos? Não poderão aceder aos locais onde estas actividades decorrem, durante a realização das mesmas, identificar quem lá está prestando serviço, de forma discreta, sem perturbar a cerimónia, e actuar á posteriori? Ou como estas actividades decorrem fora das normais horas de expediente da função pública, opta a DGCI por estes bizarros métodos, para não pagar horas extraordinárias aos seus próprios funcionários? Em qualquer caso, há aqui algo de errado.


Adenda

Em reacção á notícia do PÚBLICO, Finanças vão corrigir “excessos” na informação exigida a recém-casados.

3 comentários:

Blondewithaphd disse...

Com adenda ou sem ela, só o facto de terem uma "epifânia" destas já é suficiente para a bizarria da notícia! Cada vez me convenço mais que estamos num país de fantochadas!

NuNo_R disse...

A DGCI está a tentar entrar em campos sombrios , pois esta a tentar devassar a vida privada das pessoas.
é nesta altura que temos de começar a lutar contra estes abusos perpetados ás liberdades dos cidadãos.
Se a DGCI quer saber os tais dados, que questione e inspecione as empresas e restaurantes, que são quem costuma fugir ao fisco e não por os contribuintes a fazer o seu trabalho.
Se acabassem as listas de mobilidade, ja nao apareciam estas tretas...


abr...prof...

Anónimo disse...

noivos atenção apontem tudo quanto vão gastar no vosso casamento, mas tudo mesmo e vão mas é pedir um subsidio ao Estado, para ajudar às despesas Ok? credo em que país vivemos isto é absurdo.