06/10/2007

"Democracia" made in Cuba

Jornal «Avante explica como é possível essa impossibilidade

-Não sendo leitor do jornal Avante esta passar-me-ia completamente ao lado, mas encontrei este artigo através do Arrastão, obrigado Daniel, de vez em quando estamos de acordo, onde se explica como é que umas eleições não abertas a todos os cidadãos, num país não democrático, em que não se permitem candidaturas de oposição, podem ser consideradas uma eleições democráticas. Percebo agora porque razão há no PCP quem considere a Coreia do Norte uma democracia, fico é sem perceber quando o PCP diz defender o 25 de Abril e a Democracia, a que tipo de Democracia se referem, porque pelos vistos reconhecem algumas sui géneris como tal.

1 comentário:

Vasco Tavares disse...

Meu caro amigo António, temos que contextualizar os assuntos. O que os comunistas chamam de "democracia", é o que na civilização ocidental chamamos de "coros": todos seguem a mesma partitura, sendo livres de cantarem com voz mais grave ou mais aguda, sussurrar ou gritar a plenos pulmões ... Claro que quem ousar improvisar é considerado um desafinado e mandado (para bem dele mesmo e da harmonia sócio-musical!) para um recanto qualquer onde possa aprender as virtudes do belcanto comunista. O problema é que tal obediência é quase canina, e isso torna-os, por vezes, mais parecidos com uma matilha a uivar ... acho q o Orwell retratou isto muito bem no "Triunfo dos Porcos".
É sempre um prazer ler as suas "farpas", e agora ainda mais abrilhantadas pelo surrealismo.