02/10/2007

PSD - E agora?

-Parece-me hoje inequívoco que muitos dos apelidados de notáveis no PSD nunca acreditaram ser possível uma vitória de L.F.Menezes, pelo que preferiram de longe dar um apoio mais ou menos implícito a Marques Mendes, sem nunca se aproximarem demasiado deste, para evitarem colar-se a uma liderança que entendiam ser fraca, mas se a entendiam como tal, também nenhum deles se apresentou para a disputar, impedindo que as bases fartas que estavam de ver o partido definhar, ante uma liderança sem chama, sem brilho, optassem como o fizeram por uma aposta de risco, se me é possível interpretar as bases o sentimento terá sido mais ou menos, o de, perdido por um, perdido por mil, já que toda a gente considerava as eleições 2009 ganhas por Sócrates, então porque não tentar algo de diferente? Com Marques Mendes sabemos ir perder, com Menezes a ver vamos! Pois bem, isto gerou que muitos estejam hoje á beira dum ataque de nervos, Guronsan e Alka-Seltzer devem por estes dias estar a bater records de vendas, porque a liderança de Menezes veio mudar muita coisa, desde logo as listas de candidatos a deputados em 2009, qualquer que venha a ser o resultado do PSD, mesmo um mau resultado significa acima de 70 deputados, uma boa parte daqueles que estariam colocados em lugares seguramente elegíveis com M.Mendes podem agora vir a ficar de fora com Menezes, já menos alterações serão passíveis de ocorrer a nível autárquico, porque aí o poder local tem uma lógica diferente, dada a proximidade entre eleitos e eleitores, a qual embora não seja a ideal, sempre é melhor que a actualmente existente em eleições nacionais. No PSD temos hoje aqueles que não dependendo da política, embora podendo ter apoiado M.Mendes, ficarão agora remetidos ao papel de espectadores, alguns em boa verdade já o eram, Miguel Veiga ou Pinto Balsemão por exemplo, figuras do partido que não se querem envolver na luta diária, resguardando-se como reservas morais, outros como Pacheco Pereira ou Marcelo Rebelo de Sousa demonstram um claro mau perder, este último já foi inclusivamente chamado por Duarte Lima de costureirinha de bairro, tricotadeira de soalheiro, após a sua intervenção na omília que detém aos domingos na televisão pública, tendo também desagradado a Manuela Ferreira Leite, por ter sido acusada de retirar o tapete a M.Mendes, que convém relembrar foi um colaborador próximo de Marcelo, durante a sua liderança no partido, pelo que será talvez legitimo pensar que Marcelo está descontente pela derrota do amigo, e também pela sua evidente estratégia de tentar posicionar-se para eleições presidenciais um pouco mais à frente. Tudo isto resulta num caldo que está longe de resolvido, porque restará saber as negociatas que ainda irão ocorrer durante e depois do congresso, pois se a liderança de Menezes não poderá ser posta em causa face à legitimidade obtida nas urnas, o mesmo já não se pode dizer da composição dos orgãos do partido, comissão política, conselho nacional e conselho de jurisdição, os quais irão resultar dos alinhamentos que entretanto se vierem a verificar. Será interessante verificar quais os agora apoiantes de M.Mendes que se irão "entusiasmar" com a liderança de Menezes, para não ficarem de fora nas escolhas que este vier a fazer, pois o PSD é, sempre foi, um partido de poder, com bons empregos para distribuir, tal como o PS.

5 comentários:

SILÊNCIO CULPADO disse...

O facto de se registarem grandes alterações no PSD não significa, necessariamente, que se tenha melhorado. Nem piorado se atendermos que Marques Mendes nunca viria a ser primeiro ministro. O PS é o que é e o PP está reduzido à insignificância com Paulo Portas a protagonizar o declínio. E isto preocupa-me profundamente. Os actuais partidos de poder estão descapitalizados e já não conseguem ter mão em si próprios. As pessoas de valor, que poderiam fazer a diferença, não querem assumir as lideranças em tempos conturbados. Os que são bons têm a vida feita ou por conta própria, ou em empresas privadas, e, assim sendo, não se vão arriscar a ganhar menos, trabalhar mais e ter a vida privada totalmente devassada. Receio muito que surja alguma solução turbulenta e radical que capitalize o descontentamento de uma população empobrecida e revoltada.

NINHO DE CUCO disse...

E agora? É realmente caso para perguntar. Contudo acredito que Luís Filipe Menezes irá introduzir uma nova dinâmica com vista a ganhar as próximas eleições e Sócrates não pode viver tão tranquilo como vivia.

NÓMADA disse...

Que foi uma grande reviravolta no PSD lá isso foi mas acredito que um partido grande e forte, como aquele é, se aguentará no embate. E acho que LFM dará mais luta a Sócrates que Marques Mendes.

JOY disse...

Não deixa de ser engraçado ver alguns menbros do aparelho do partido que como dizes e bem não acreditavam na vitória de LFM a fazerem questão de dizer que estão super disponiveis para ajudarem a nova direcção do partido com medo de ver o tacho a fugir querem um exemplo que vi na televisão e até me deu vontade de rir com a expressão patética que fez " Fernando Ruas " presidente da Camara de Viseu e da Associação Nacional de Municipios

JOY

Anónimo disse...

Pontos finais precisam-se. se tivessemos de ler isto em voz alta, morriamos com a falta de ar.