18/02/2008

PCP continua a mandar na CGTP

SIC-CGTP-IN avisa Governo e patronato

-As tendências ortodoxas da CGTP-IN prevaleceram sobre a tentativa de alguns sectores em modernizar e democratizar a central. Carvalho da Silva continua na liderança, sendo expectaveis as costumeiras reinvindicações irrealistas, obediência á estratégia mais conveniente na Soeiro Pereira Gomes, e sempre que possivel, greves sectoriais, quiçá até mais uma greve geral á qual irão aderir alguns trabalhadores sindicalizados, espécie que nos últimos anos entrou em vias de extinção. Á boa maneira comunista, a renovação faz-se com os mesmos, para não mudar usos e costumes, nada que surpreenda os restantes parceiros sociais. Só quem andasse muito distraído, é que poderia esperar algo novo deste sindicalismo, por exemplo apostar na formação dos seus associados, apoiar trabalhadores desempregados, promover o acesso ao emprego por parte dos jovens. Nem seria preciso muita originalidade, bastaria enviar os actuais dirigentes sindicais aos países democráticos do norte da Europa, mas eles teimam em prosseguir a escola da defunta ex-URSS, que continua a ser alvo da admiração destes senhores, onde curiosamente os sindicatos nunca fizeram uma única greve, de contrário iriam logo estagiar num gulag para perceberem quem mandava.

3 comentários:

quintarantino disse...

Amigo, de acordo consigo mas olhe que nos vizinhos da UGT a coisa não é muito melhor!

Tiago R. Cardoso disse...

Enquanto uma central sindical for dirigida por um partido, seja ela qual for, seja ele qual for, não mostrando independência, eu continuarei a não acreditar em sindicatos.

joshua disse...

Gosto da CGTP e não subscrevo essa dependência. Os factos do trabalho, do empresdariado e da vida política portuguesa dão razão a Carvalho da Silva.