25/02/2008

Raúl Castro "eleito" ditador cubano



-O governo cubano "renova-se". Após quase 50 anos de poder ditatorial, que conduziram a ilha á mais extrema pobreza, o tirano Fidel Castro deu lugar ao irmão Raúl Castro. Em linha com a "modernização" e "abertura" do regime, para nº 2 foi escolhido um ortodoxo de 77 anos, Jose Ramon Machado. Podem os cubanos esperar mais repressão, perseguições políticas a quem ousa pensar diferente dos ideólogos do comunismo, e miséria, muita miséria bem visivel a todos quantos visitam aquela ilha. Basta passear nas ruas de Havana para perceber aqueles rostos que nos olham com um misto de inveja por não serem livres como nós, e esperança que o "velho" estique as pernas, para que sistema político possa efectivamente mudar, já mo disseram entre dentes quando lá estive. Julgo no entanto, que estão iludidos, sem uma revolução, mas uma verdadeira revolução que retire aqueles canalhas do poder, o povo cubano jamais será feliz, restando aos mais corajosos, que já não suportam viver sem liberdade, arriscar a vida no mar, procurando chegar a Miami, tentativa que já custou a vida a milhares de pessoas. Em qualquer caso, os ventos da História não sopram a favor da ditadura cubana, que mais ano menos ano, chegará ao fim, e nesse dia, o mundo ficará um lugar melhor.

6 comentários:

Blondewithaphd disse...

Ora aqui está a mudança em toda a sua plenitude!!! Isto sim, isto é renovação, mudança, transformação!

quintarantino disse...

É a chamada evolução na continuidade!

joshua disse...

Já era tempo! Mas parece que vai cair de podre a Ditadura Castrista! Cinquenta anos sem a presença proxenetizante norte-americana desinfectaram de bem-estar e Democracia mínima a pobre Cuba.

NuNo_R disse...

Boas...

Ao ver assistir a esta "renovação" politica em Cuba, questiono-me: Será que a pseudo-democracia ( diz alguém...) instituida em Cuba não será uma Monarquia?!
(lol)

abr...prof...

luma disse...

Nada vai mudar, somente passaram o bastão. Fidel, aposentado, nem tem para onde ir! Beijus

Tiago R. Cardoso disse...

Ainda ontem ouvi um opositor ao regime que dizia que a existir uma revolução seria com derramamento de sangue, não acreditava que o regime mudasse de outra forma.

Outro ia mais longe, acreditava que neste momento a repressão iria ser maior, com vista a cortar possíveis aproveitamentos da transição ditatorial.