12/01/2008

O rebanho do bloco central

D.N.-Acabou-se o sonho dos círculos uninominais

-PS e PSD negociando alterações á composição dos circulos eleitorais, pretendem redesenhar o mapa, mas as alterações que pretendem limitam-se á criação de circulos plurinominais mais pequenos, a par da existência dum circulo nacional. Fica de lado a hipótese da existência de circulos uninominais, e porquê? porque os partidos gostam pouco de deputados que pensam pela sua própria cabeça, as direcções partidárias olham para as suas bancadas parlamentares como se de um rebanho se tratasse, impondo frequentemente a disciplina de voto, e calando as poucas vozes dissonantes, como fez ainda esta semana o PSD com o deputado António Preto na questão do referendo ao tratado de Lisboa. No PS o panorama é igual, á excepção de Manuel Alegre, olhado como uma bizarria por uns, com inveja por outros, pois conquistou para si um estatuto único na A.R., que lhe permite assumir posições próprias. A forma como os partidos entendem ser seus os lugares dos deputados, retirando-lhes autonomia, não se limita aos 2 principais partidos, veja-se o recente episódio Luisa Mesquita com o PCP a considerar seu o lugar da deputada, ou a rotação que o BE impõe na sua bancada. A criação de circulos uninominais levaria os eleitores a escolher directamente o seu deputado, o qual para ser reeleito teria de defender os seus interesses, sendo de prever que quando colidissem com os partidários, para assegurar a reeleição o deputado escolhesse o povo, mas aos partidos dará certamente mais jeito um yes man, que faça promessas para conseguir a eleição, mas uma vez eleito procure desculpas para as não cumprir, algo afinal tão comum nesta democracia portuguesa. Com esta negociata, o status quo está asssegurado, o rebanho continuará o seu caminho obedecendo ao pastor.

5 comentários:

Tiago R. Cardoso disse...

Tirando as excepções de alguns partidos as principais força consideram que os deputados estão lá para bater palmas e acenarem conforme as direcções mandam, mesmo assim alguns são eleitos representando regiões mas no entanto só lá foram dar a cara durante as campanhas eleitorais...

António de Almeida disse...

Tiago, e alguns como Raul dos Santos, nem vão aos circulos por onde foram eleitos, apesar de receberem as despesas de representação.

zedeportugal disse...

"mas uma vez eleito procure desculpas para as não cumprir", até porque nunca fez qualquer intenção disso e não está nada interessado em servir, mas apenas em servir-se dos eleitores.
A única forma de os castigar é tirar-lhes o tapete. Espero que o "pessoal" tenha aprendido a lição quanto às maiorias.
Vejam o meu último poste:
http://umjardimnodeserto.nireblog.com/
post/2008/01/12/o-aeroporto-em-alcochete

Anónimo disse...

Infeliz/ a nossa assembleia da república parece mais um daqueles programas de televisão, em que aparece alguém da produção com uma placa a dizer o que fazer:

- "agora palmas"; "agora rir"; "agora dormir"......

E cá vamos nós(povo)alimentando este circo.

A.Correia

quin[tarantino] disse...

E assim se vai construindo a democracia a que temos direito.