09/01/2008

Promessas por cumprir e falta de credibilidade

-"Leiam-me os lábios, os impostos não vão aumentar", a frase de George Bush (pai), proferida em campanha nas eleições americanas de 1988, não foi cumprida, e muito justamente os eleitores deram-lhe uma vassourada nas seguintes em 1992. "Não existe qualquer razão séria, que impeça a realização dum referendo sobre integração europeia", a frase proferida por José Socrates em campanha eleitoral para as legislativas de 2005, resultará a partir de hoje, em mais uma promessa eleitoral não cumprida, por parte do governo PS, por esta hora, desconhece-se apenas a que pérola, certamente digna dum chico-espertismo, ou esperteza saloia, recorrerá o primeiro ministro, para justificar o que todos já perceberam, Sócrates mentiu mais uma vez, concorde-se ou não com o referendo, isso é outra questão, a realidade é que ficou mais uma promessa por cumprir, terá de rebuscar argumentação, tudo para agradar aos parceiros europeus, depois Barroso é acusado de ter servido cafés nas Lages, este pelos vistos, serviu á mesa um almoço em Lisboa. BE, PCP e CDS/PP, certamente irão marcar pontos no debate parlamentar, e também na opinião pública, e o PSD? O maior partido da oposição? O BE já anunciou uma moção de censura ao governo, em caso de incumprimento da promessa de realizar o referendo, como o PSD mudou de posição, defendendo agora a ractificação parlamentar, restar-lhe-á agora votar contra tal moção de censura, pois o governo tomou a atitude preconizada pelo PSD. Quando Socrates anunciar a opção no parlamento, a atitude do PSD não poderá ser outra, senão saudar a decisão governamental, caso contrário seria caso para perguntar, afinal o que pretende o PSD e L. F. Menezes? Parece-me que desperdiçaram aqui uma excelente oportunidade de demonstrar o desrespeito do governo pelo seu próprio programa, e consequentemente, pelos eleitores, mostrando que existe outro caminho, mas infelizmente, parece-me que Portugal está condenado a aguentar com o estado a que isto chegou, porque a oposição não parece ser capaz de rumar a parte alguma, quanto mais conduzir o país.

6 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Totalmente a favor do referendo, totalmente contra políticos que não cumpram o que prometem.

Atreides disse...

Há coisas fantásticas, não há?

São disse...

Meu caro, parece-me que o descaramento de Sócrates em não cumprir mais uma promessa eleitoral não serve de desculpa para o lamentável papel desempenhado por Durão nas Lages!
E também não creio que haja uma " mão invísivel" que tudo regule e resolva...só se for, por exemplo, a da Opus Dei relativamente às flores do Jardim.
E quanto à Função Pública pode crer que não é a corja de facínoras de que falam, como também pode estar cert de que o privado não ó o paraíso terrenal!!
Saudações!

cadeiradopoder disse...

"serviu á mesa um almoço em Lisboa". Nem mais, caro António. E por esta hora está a dizer que o Tratado que se devia referendar não era este, era outro!!

SILÊNCIO CULPADO disse...

Sou contra os que prometem e não cumprem. Para mim a questão é essa porque não sou grande fã do referendo.

quin[tarantino] disse...

António, não se deixe intimidar por comentáros que lhe fazem por dizer aquilo que pensa. Admiro-o pela sua frontalidade.